Amamentar é - aleitamento materno | por Chris Nicklas

ver menu buscar

Colunistas /Dr. Daniel Becker

Muita publicidade, pouco escrúpulo!

Marcas caras e famosas enganam pais que procuram comprar o mais saudável para os seus filhos!

  • 26/11/2014
  • Dr. Daniel Becker

Screen Shot 2016-01-21 at 4.35.31 PM

Comida industrializada faz parte de nossa vida. É inevitável. Mas sobretudo com relação a nossos filhos, o ideal é manter a sua presença no mínimo possível.

Por mais que pareçam bacanas, os produtos quase sempre vêm com açúcar (em especial, e o pior ingrediente), sal, gordura em demasia, além de toda a parafernália química de conservação, saborização, espessamento, etc – com vários de seus ingredientes comprovadamente tóxicos para a saúde.

O mais triste, o mais emblemático da atitude de pouca ética de muitas empresas de alimentos (e o desprezo que tem pela saúde) é a mentira. É se aproveitar da boa fé de um consumidor, de alguém que quer dar o melhor para seu filho, e mentir, enganar.

A mais nova técnica de marketing para vender produtos se chama “story-telling”. Contar uma história, todos sabemos, nos remete ao afeto, ao aconchego da família, dos avós, da infância. Nos aquece o coração, nos estimula pela emoção – infinitamente mais poderosa na decisão de compra do que a razão.

Pois bem, se fosse honesto, seria uma bela sacada. Mas empresas como o picolé Diletto e os Sucos Do Bem usam esta técnica para contar mentiras e enganar o consumidor, induzindo-o a comprar o que não quer. Inventam personagens afetivos, como o vovô Vittorio, que fazia seus sorvetes com neve, ou o fazendeiro Francesco, cujas laranjas fresquinhas e selecionadas e limpinhas enchem as caixas da Do Bem (não à toa os dois personagens são senhores italianos, com a marca da simpatia e da tradição).

Só que não: são apenas técnicas de venda. O sorvete tem os mesmos ingredientes que outros (apesar de custar 3 ou 4 vezes mais) e o vovô nunca fez picolés, muito menos de neve; as laranjas vem da gigante Brasil Citrus (o custo dos sucos do Bem também é muito maior). Em outras palavras: mentiras para enganar um pai ou uma mãe que querem comprar o melhor para seus filhos, pagando muito mais por isso.

Veja aqui: http://exame.abril.com.br/marketing/noticias/conar-investiga-diletto-e-suco-do-bem . O Conar é um órgão da própria publicidade – possivelmente vai no máximo advertir as empresas ou solicitar ajustes.

A história da Diletto é mais grave ainda, pois foi comprada pelo maior bilionário brasileiro por um valor muito superior ao real, associada a filha de um grande político brasileiro. Há indícios de lavagem de dinheiro (http://www.brasil247.com/pt/247/economia/96697/Por-que-Lemann-e-Verônica-pagaram-tanto-pelo-picolé.htm). E por falar no assunto corrupção: você que usa suas sandálias Havaianas, está dando dinheiro para a Camargo Correia, a empreiteira que liderou o esquema da Petrobrás e uma das recordistas da corrupção no Brasil. Que tal boicotar as Havaianas? É um pequeno gesto mas que pode ter muito significado.

Veja a ilustração acima: a quantidade de açúcar escondida nos alimentos que o mercado nos empurra dia a dia…. Nesse mundo de muita publicidade e pouco escrúpulo, só nos resta ficar atentos. E sobretudo, tentar optar sempre pelo natural/orgânico/caseiro.

Acompanhe o trabalho do Dr Daniel Becker por aqui: Pediatria Integral

 

DR. DANIEL BECKER

Pediatra com 20 anos de experiência em consultório privado no Rio de Janeiro. Formado pela UFRJ, especialista em Homeopatia e mestre em Saúde Pública.