Amamentar é - aleitamento materno | por Chris Nicklas

ver menu buscar

Depoimentos maternos /Vídeos

O sono do bebê

A psicóloga Renata Lacombe reflete sobre o atendimento noturno e o sono do bebê.

  • 03/05/2016
  • Chris Nicklas

O sono do bebê é assunto de muito mistério e fonte de angústia para a maioria das famílias.

Meus filhos demoraram muito tempo, anos!, para dormir direto durante a noite. Houve épocas em que acordavam de meia em meia hora, como que num revezamento. Um sofrimento para todos aqui em casa, um verdadeiro estresse. Quando cheguei ao meu limite de exaustão bati o carro com eles dentro.

Por isso quando sou procurada para conversar aqui no Amamentar é… sobre essa questão, tomo muito cuidado, pois sinceramente acredito que cada família sabe do seu drama.

Defendo a ideia de que não há regra e nem mesmo o “caminho certo”. Para um casal a cama compartilhada da certo, para outro é motivo de crise e desavença. Vejo que há famílias em que faz-se um revezamento e cada noite um dorme no quarto do bebê. E tem também as que largam tudo nas costas da mãe que vira um fiapo de gente depois de alguns meses… É complicado.

Infelizmente é muito comum termos dificuldades com as mamadas e acordadas noturnas dos nossos filhos. Não podemos deixar de levar em consideração, na análise dos fatos, que na nossa estrutura de vida atual, especialmente para casais em que mãe e pai trabalham fora, diminuiu muito a nossa disponibilidade para suprir as necessidades do bebê à noite. E não adianta fazermos julgamentos morais. O mundo mudou e com essa mudança ganhamos e perdemos. Os nossos filhos que o digam!

Por que vivi o que vivi não posso deixar de perceber este cenário com uma certa tristeza… Mas quando uma mãe me procura para falar sobre seu cansaço ouço com o maior respeito. Sei que no  meio da madrugada somos capazes de sentir muita raiva do bebê. O sono e o cansaço nos fazem perder a noção do quanto somos responsáveis por aquilo que se passa com o nosso filho e passamos a exigir dele algo que este não pode corresponder. Quanto mais tentamos nos livrar daquela situação mais ela se agrava. No processo esquecemos que o emocional do bebê é reflexo do nosso.

Já entendi que muitas mães sucumbem e desmamam na esperança de que o bebê pare de solicitá-la à noite se ela não mais o amamentar. A verdade é que não há nenhuma garantia nisso. Bebês que tomam mamadeira, com leite adaptado, que chupam chupeta, que dormem em cama compartilhada, que dormem sozinhos em seu berço… Todos podem em alguma etapa de seu desenvolvimento passar a acordar várias vezes por noite exigindo dos pais praticamente uma dupla jornada de trabalho. Quando decidimos ter um filho temos que estar conscientes disso, está no pacote.

Quando colhi o depoimento da psicóloga Renata Lacombe  sobre como havia sido sua experiência amamentando sua filha este tema surgiu pois esta era uma de suas dificuldades: – a dependência de sua filha em relação à ela para dormir. Ninguém mais servia. Somada à tumultuada adaptação à creche, Renata começou a desconfiar que algo estava fazendo de errado em algum ponto da criação que estava dando para seu bebê, como se estivesse alimentando involuntariamente esta dependência.

Conversamos muito, refletindo, e somando ao nosso bate papo o seu conhecimento profissional na área da psicologia.

Comentei com ela o quanto vejo que a discussão entre mães se acirra quando o assunto é o atendimento noturno do bebê. Como é comum que as mães apontem o dedo umas para as outras certas de que o que cada uma faz é o certo e o resto é resto. O maior desafio é aprendermos a ouvir e nos colocarmos no lugar do outro para entender o que se passa.

Aí vai um trecho da minha conversa com Renata que termina com um ótimo toque:

 

 

CHRIS NICKLAS

Mãe de gêmeos, formanda em psicologia, fundadora e gestora do Amamentar é…