Amamentar é - aleitamento materno | por Chris Nicklas

ver menu buscar

Parto e pós parto /Volta ao trabalho

Cartilha para a mãe trabalhadora que amamenta

Nesta cartilha você encontra um passo a passo de como continuar amamentando depois da volta ao trabalho.

  • 12/09/2014
  • Chris Nicklas

Essa cartilha feita pelo Ministério da Saúde, com apoio da Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ, oferece dicas, esclarecimentos e orientações sobre como manter o aleitamento materno mesmo depois do final da Licença Maternidade, que para a grande maioria das mulheres brasileiras tem duração de 4 meses ( 120 dias ) e para as funcionárias públicas 6 meses.

Aos 120 dias ainda é possível somar os trinta de férias aos quais a funcionária tem direito a cada ano trabalhado, completando então 150 dias de aleitamento exclusivo. Neste caso É preciso salientar que alguns dias antes do primeiro dia de ausência da mãe o bebê já deve entrar em contato com o veículo com o qual será alimentado, que seja o copo, a colher ou uma  xícara. Essa antecipação previne a mãe de passar pelo caos que é, na última hora, descobrir que o bebê não aceita e se adapta ao veículo escolhido, não se alimentando o suficiente quando ela não está presente. Em geral o  bebê de 4 meses ou mais já tem condições motoras para aprender a usar um copo comum, sempre é claro acompanhado de um cuidador responsável. O uso da mamadeira sempre apresenta uma certa dose de risco para a amamentação, mas cabe a cada mãe a decisão final de como alimentar seu filho. As cartilhas nunca incluem esta opção por se tratar de um recurso que vai contra as orientações da Organização Mundial da Saúde.

Esvaziar as mamas durante o dia de trabalho é imprescindível para que o baque da interrupção do estímulo do bebê ao seio da mãe não diminua drasticamente a produção de leite que teria como resultado o desinteresse do bebê.

Para as mães que têm dificuldade para fazer a ordenha manual há a opção da bombinha de tirar leite. Também fica a critério da mãe qual é a melhor escolha para a logística de sua rotina.

Enfim, para muitas mães não é fácil, mas é importante dizer que também não é impossível manter o Aleitamento Exclusivo por seis meses dessa forma. Mesmo no caso da mãe que opta por somente manter as mamadas nos horários em que está em casa podem surgir dificuldades e empecilhos. No caso da mulher que consegue somar 150 dias de intervalo no trabalho essa função toda dura por volta de quatro semanas e então pode-se iniciar a introdução dos alimentos. Para que uma mãe trabalhadora consiga oferecer para o seu filho somente o leite materno nos primeiros seis meses de vida do bebê ela precisa de muito apoio e ajuda!

Nos casos em que as dificuldades de adaptação sejam muito graves é preferível antecipar a introdução das papas, quando o bebê já tem 4 meses de idade completos, do que oferecer o leite em pó. Assim o bebê passaria a comer as papinhas, beberia o leite da mãe armazenado em casa e ainda mamaria no peito quando ela estivesse presente.

Muitas são as opções, cabe a cada família decidir qual é o caminho que melhor se adapta as suas necessidades e limitações, que infelizmente são muitas devido a carência de uma legislação que realmente proteja e dê apoio a mãe que amamenta. Ainda temos uma longa estrada à frente até conseguir construir uma legislação que contemple todas a possibilidades, inclusive a da mãe que não quer amamentar! Afinal vivemos numa democracia!

http://pt.slideshare.net/Marcusrenato/cartilha-para-a-mulher-trabalhadora-que-amamenta

 

CHRIS NICKLAS

Mãe de gêmeos, formanda em psicologia, fundadora e gestora do Amamentar é…